Quinta, 18 Maio 2017 17:22

Nigéria: Bispo suspeita de conivência do governo com terrorismo

Escrito por
Avalie este item
(1 Voto)
Bispo Joseph Bagobiri Bispo Joseph Bagobiri

Bispo acusa as autoridades nigerianas de suprimento suspeito de armas para rede islâmica terrorista, que ele afirma estar infiltrada nos governos estadual e federal.

Dom Joseph Bagobiri de Kafanchan, estado de Kaduna, norte da Nigéria, disse que acredita que o governo tem feito pouco ou nada para conter "uma onda de terror" provocada pelos islâmicos radicais Fulani contra os cristãos e outros grupos, razão pela qual ele estima a morte de 1000 pessoas no último ano. Tais comentários do bispo ocorreram após um ataque a fiéis reunidos para a celebração da Vigília Pascal fora de uma igreja na aldeia Asso, próxima a Kaduna, realizado pelos Fulani islâmicos no dia 15 de abril. O incidente deixou 12 mortos, dos quais 10 eram católicos.

Descrevendo os extremistas Fulani como uma “organização irmã” ao grupo terrorista Boko Haram, Dom Bagobiri falou exclusivamente à ACN – Ajuda à Igreja que Sofre – que, apesar das várias aparições em público dos agressores na Vigília Pascal, ninguém foi detido. “Dada a sofisticada natureza das armas usadas nas operações (terroristas islâmicas), é de se suspeitar que membros da sua etnia no governo e nas forças militares consigam os armamentos para essas ações. Atualmente na Nigéria, os Fulani são membros da Aduana, Imigração e Ministério de Assuntos Internos. Assim, é fácil entrar com armas perigosas nas nossas fronteiras sem que ninguém os detenha. Quando esse tráfego de armas é descoberto, às vezes essas são entregues para a polícia e outras agências de segurança, e daí em diante ninguém ouve mais falar dessas armas novamente. Repito, os governos tanto a nível estatal quanto federal estão encabeçados por membros da etnia Fulani, e eles parecem se identificar mais com os agressores e assassinos do que com as vítimas indefesas” disse o bispo.

Funeral do ataque à cristãos na Vigília Pascal
Funeral do ataque a cristãos na Vigília Pascal

Atuação terrorista se expandindo

As declarações de Dom Bogobiri para a ACN foram feitas após homilia oferecida em memória de algumas vítimas do cruel atentado do dia 15 de abril na Vigília Pascal. O bispo falou também sobre o impacto do extremismo internacional na Nigéria e em outros lugares: “Os pastores Fulani terroristas e suas organizações irmãs estão agindo em todo o mundo hoje... Os jihadistas se estabeleceram (...) através do uso da força, a qual, frequentemente, vai acompanhada do assassinato em massa de pessoas inocentes e indefesas”. Com relação aos cristãos assassinados e os deslocados na Nigéria, disse: “Isso é exatamente o que os jihadistas Fulani estão fazendo atualmente no sul de Kaduna, na região central e agora também há incursões tanto no sudeste como no sudoeste da Nigéria”. Ele acrescenta: “O número de mortes parece aumentar dia após dia, com valas comuns à nossa volta”.

Dom Bagobiri notou que a estratégia e os recursos Fulani no último atentado incluíram um veículo para fugir e “armas sofisticadas” para matar os cristãos reunidos para rezar. Na sua homilia, ele disse: “Podemos observar que existe um programa de execução sistêmica bem planejado e financiado abundantemente”. Em seu sermão, o Bispo clamou ao governo que reverta a suposta manipulação eleitoral imposta ao povo para impedir que os cristãos assumam cargos: “A delimitação das inscrições e a localização das urnas eleitorais, que ocorreram no passado de forma arbitrária e fraudulenta a fim de manipular as eleições desde a sua origem em favor de uma parte da população e de uma religião no estado de Kaduna, devem ser replanejadas e corrigidas, utilizando os dados geográficos e numéricos que foram ignorados”.

Dom Bagobori classificou os terroristas Fulani como “a terceira organização terrorista mais mortífera do mundo atualmente”.

O bispo, que pediu orações pela paz e pelos cristãos atacados, também solicitou apoio à ACN: “Lhes rogo que encontrem uma maneira de direcionar a atenção no mundo para a ameaça que representam os Fulani terroristas”.


A ACN está auxiliando os cristãos perseguidos na Nigéria fornecendo ajuda às vítimas desses terríveis atos, através da reforma de edifícios eclesiais e veículos para atendimento pastoral em áreas remotas, por exemplo.


Lido 2862 vezes Última modificação em Terça, 23 Maio 2017 13:37

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.